Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Às 23h

Livros na Minha Cabeceira

Às 23h

Livros na Minha Cabeceira

Opinião: O Processo Violeta

Sara, 11.08.20

Autor: Inês Pedrosa

Editora: Porto Editora

Ano: 2019 (1ª ed.)

N.º Pág.: 230

ISBN: 978-972-0-03142-6

 

Sinopse:

No Portugal festivo e individualista do fim da década de 80, Violeta, uma professora de 32 anos, engravida de Ildo, um aluno de 14 anos, filho de uma mãe solteira cabo-verdiana. O Insubmisso, novo jornal de uma elite em ascensão, perseguirá a história e descobrirá que o pai de Ildo é um cavaleiro tauromáquico aristocrata.

O escândalo do chamado processo Violeta contrastará com o silêncio absoluto através do qual Ana Lúcia, amiga de Violeta, oculta a sua violação por um outro aluno de 14 anos da mesma escola.

Este romance apaixonante interroga, com inteligência, imaginação e humor, os interditos de uma sociedade que se diz livre e despida de preconceitos. O processo Violeta é, afinal, o de um país de hábitos clandestinos, esconsos, sacrificiais e crepusculares.

 

Opinião:

Eu adoro a escrita da Inês Pedrosa e talvez, por isso, tenha sido tão dificil encontrar as palavras certas para explicar a pontuação que dei a este livro. Até hoje, esta foi a opinião literária que mais me custou escrever.

A sinopse fala-nos de uma relação entre Violeta, de 32 anos e Ildo de 14 anos e a cobertura deste caso pelo jornal "Insubmisso". E, ainda, do silêncio por parte de outra professora após violação por outro aluno de 14 anos da mesma escola. Pensei então, ter nas mãos, um romance que se debruçaria, principalmente, sobre estas duas situações.


Mas encontrei algo mais parecido com um ensaio...

"Ao longo de toda a História do mundo ocidental, praticamente até à entrada do século XX, jovens e adolescentes, por vezes até meninas impúberes, foram vendidas em casamento a velhos varões que, em muitos casos, nem sequer haviam visto."

Se hoje julgamos uma relação amorosa entre uma mulher de 34 anos e um miúdo de 14 anos, noutros tempos houve várias relações, até por escolha própria, como a do escritor Edgar Allan Poe (26 anos) e Virginia (13 anos). Onde deverá então ser traçada a fronteira?

Estará o aluno a ser vítima de violação por parte de Violeta? Inês Pedrosa fala ainda dos conceitos de infância e adolescência, de como o cérebro se desenvolve e da aceleração do amadurecimento sexual, dos jovens de hoje. São diversos os momentos em que a autora nos faz refletir sobre este assunto - de que gostei bastante.

Mas, ao longo do romance foi dado grande foco ao funcionamento de um jornal, nos anos 80, pouco depois do fim da ditadura em Portugal. Esta foi a primeira coisa que me chateou. Sabia que O Processo Violeta seria coberto por um jornal e até imaginei que o narrador fosse o jornalista de investigação mas a autora debruça-se muito mais sobre este mundo jornalístico do que aquilo que eu esperava - talvez por ingenuidade da minha parte, uma vez que é neste meio que trabalha.

Mas, se soubesse que o livro trataria extensivamente este tema, não teria pegado nele, saberia logo que não me interessaria. Assim, acabei por ser "forçada" a ler temas que não me entusiasmam para descobrir como o romance entre Violeta e Ildo terminaria...

 

Outra coisa que me chateou e me chateia imenso num livro é um elevado número de personagens. Não acho que um bom romance necessite de imensos personagens, até pode dificultar a leitura, tornando-a menos fluída. Este é um livro relativamente pequeno (230 páginas) e, após alguns capítulos, tive de recomeçar a leitura, com uma folha de papel ao lado para apontar nomes, ligações entre personagens ou suas funções no jornal. Até à página 50, encontram-se cerca de 20 personagens... seriam mesmo necessárias tantas?

Por fim, temos ainda o pai de Ildo, cavaleiro tauromáquico, pelo que somos também transportados, através da relação que Ildo desenvolverá com o pai, para esse mundo que nada me fascina.

 

Pareceu-me, resumindo, uma escrita um pouco forçada, senti uma desorganização geral de ideias por parte da escritora, dá quase a sensação de que o texto não foi revisto. Já li outras obras da Inês Pedrosa, que adorei e nunca tinha ficado com esta sensação tão estranha. Talvez houvesse aqui material para dois livros independentes?

Teria preferido que houvesse um maior foco no romance entre Violeta e Ildo e mais espaço para a história de Ana Lúcia, que acabou por ser esquecida ao longo do livro. Fala-se brevemente do seu silêncio por temer represálias e até de um outro caso de violência na escola, também abafado:

"O problema das vítimas é sempre esse: o lastro da vergonha, o medo das represálias. Não reagem, o que as torna duplamente vítimas."

 

Se pudesse retirar muitos dos capítulos associados aos dramas jornalísticos e ainda sobre o contexto político, a minha pontuação seria elevada. Inês Pedrosa escreve tão bem, talvez por isso as minhas expetativas sejam tão elevadas quando pego num livro dela. Deste não posso dizer que gostei...

 

Pontuação: 4/10

Opinião: Imaculada - Retrato de uma Família Portuguesa

Sara, 29.07.20

Autor: Paula Lobato de Faria

Editora: Clube do Autor

Ano de Edição: 2017 (2ª) 

ISBN: 978-989-724-349-3

Nº Pág.: 311

 

Sinopse:

"Portugal, 1956
Tempo da ditadura de Salazar, da censura e da PIDE. Numa família da alta burguesia, no interior do país, o lema "Deus, Pátria e Família" é sagrado. Mas a vida estremece quando na casa dos Correia bate à porta o amor e o desejo de liberdade.

Esta é uma história inspirada em acontecimentos reais em que a dualidade de ser e de parecer, da lealdade e da traição, do amor e da obrigação nos leva a caminhos imprevisíveis."

 

Opinião: Gostei imenso de descobrir esta escritora, Paula Lobato de Faria, com o seu primeiro romance "Imaculada" - que já tem continuação em "Tundavala" e um terceiro romance a ser escrito.

A escrita neste romance fez-me lembrar alguns dos nossos clássicos, de que tanto gosto, no entanto com uma escrita mais simples, tornando a leitura também mais fluida.  O contexto associado ao romance, a ditadura de Salazar, não foi vivida por mim mas é-me familiar, por muitas histórias contadas pelos meus pais e avós, pelo que as personagens e o enredo parecem-me muito credíveis.

O livro fala da importância que as aparências tinham na altura e do decoro que, especialmente, as raparigas tinham de manter para evitar serem faladas; da presença constante de um adulto nas saídas, fosse à modista ou à praia; das visitas do namorado, escolhido pelos pais, a casa da futura noiva, mantendo-os sempre com alguma distância; do papel da mulher, limitado à casa, com a educação dos filhos à sua responsabilidade.

 

Nesta primeiro excerto, temos a tal importância que a imagem de uma jovem solteira tinha na sociedade e a preocupação evidente da mãe, apesar de este ser um exemplo já um pouco mais liberal, pois foi permitido à filha que fosse estudar em Coimbra, longe de casa dos pais:

"E que histórias, meu Deus, que histórias corriam na cidade sobre a Luisinha. A mãe dela, tão sua amiga, viera um dia ter consigo, a chorar, queixando-se das más-línguas, alegando que a filha tinha em Coimbra um comportamento exemplar, estudando muito e apresentando excelentes notas (...)"

 

Neste excerto, a autora mostra a posição da mulher num casamento arranjado, relativamente ao homem, através de um personagem com ideias mais avançadas para a época, devido aos seus ascendentes nórdicos:

"(...) que outra descrição pode ser feita de um contrato em que a mulher fica dependente de um homem, do seu dinheiro, dos seus humores, dos apetites vorazes ditados pela testosterona. (...) Como saberei se ela se sente feliz comigo, se é de mim que depende o seu sustento? Que mulher terá a coragem de ser honesta e de nos dizer abertamente o que lhe vai no coração sem medo de represálias?"

 

Através de, essencialmente, duas gerações é-nos apresentada, ao longo do livro, uma posição mais conservadora e outra mais liberal. E como a posição conservadora e a importância da imagem, acabam por originar mentiras de forma a "proteger" a inocência das jovens. Mentiras essas que, caídas por terra, alteram por completo o destino das personagens.

 

Pontuação: 8/10

Opinião - A Cabana

Sara, 01.07.20

Autor: Wm. Paul Young

Editora: Porto Editora

Ano de Edição: 2009 (1ª)

Título Original: The Shack

Tradução: Fernando Dias Antunes

ISBN: 978-972-0-04178-4

Nº Pág.: 246

 

Sinopse:

"As férias de Mackenzie Allen Philip com a família na floresta do estado de Oregon tornaram-se num pesadelo. Missy, a filha mais nova, foi raptada e, de acordo com as provas encontradas numa cabana abandonada, brutalmente assassinada.

Quatro anos mais tarde, Mack, mergulhado numa depressão da qual nunca recuperou, recebe um bilhete, aparentemente escrito por Deus, convidando-o a voltar à malograda cabana.

Ainda que confuso, Mack decide regressar à montanha e reviver todo aquele pesadelo. O que ele vai encontrar naquela cabana mudará o seu mundo para sempre."

 

Opinião:

Este livro foi-me oferecido quando já era bestseller , com indicação na capa que tinha vendido 7 milhões nos EUA. Ora, eu com livros muito badalados, fico sempre de pé atrás. Na altura, ainda li as primeiras páginas - o prefácio e pouco mais. Não cheguei sequer ao rapto de Missy porque a escrita não me atraiu nada.

Há cerca de um mês, numa conversa de amigas, falaram-me do filme. Eu disse que nem o livro tinha conseguido ler mas insistiram que tinha de ver o filme. Fiquei curiosa, por que razão faziam tanta questão se era uma adaptação de um livro que eu nem sequer tinha gostado. Vi-o na noite desse dia. E deixo-vos aqui o trailer:

O filme conta, mais uma vez, com uma atriz que eu adoro - Octavia Spencer - e aproveito já para dizer que a adaptação do livro é tão, mas tão melhor que o livro! Tanto a transmitir as emoções, como a mensagem fundamental.

Mas, após ver o filme, tive de pegar no livro para descobrir o que mais iria acrescentar.

 

O livro divide-se essencialmente em duas partes: uma primeira, policial, que acrescenta alguns pormenores ao filme mas não deixa de ser muito pequena e pouco profunda, se compararmos com policiais propriamente ditos. Comparativamente, o filme com a ajuda da música, da luz, dos próprios atores, é mais emocionante.

 

No livro, a segunda parte, espiritual, tenta responder a todas as dúvidas que surgem sobre a existência de Deus, quando perdemos alguém de forma atroz. E nisso, o filme consegue fazê-lo de uma forma mais simples.

 

No livro, a segunda parte torna-se demasiado confusa...

 

 

Mesmo concordando com alguns pontos, o texto relembra-me, por vezes, um sermão. A história volta a tornar-se interessante nas últimas vinte páginas. Mas 20 páginas dificilmente salvam um livro com 250... Resumidamente, foi uma leitura confusa e, por vezes, sofrida.

 

Vejam o filme e, desta vez, fujam do livro...

 

Pontuação: 3/10

 

 

O Amor é Fodido

Sara, 13.09.16

 

Autor: Miguel Esteves Cardoso

Editora: Porto Editora

ISBN: 978-972-0-04599-7

N.º Páginas: 184

 

As lágrimas das raparigas refrescam-me. Levantam-me o moral. Às vezes lambo-a dos cantos dos olhos. São pequenos coquetéis sem álcool, inteiramente naturais. Dizer: "Não chores" funciona sempre, porque só mencionar o verbo "chorar" emociona-as e liberta-as, dando-lhes carta-branca para chorar ainda mais. Só intervenho com piadas e palavras de esperança e de amor quando elas vão longe de mais e começam, por exemplo, a pingar do nariz.

 

Opinião:

 

Não sou de modas e, por isso, só agora me debrucei sobre um livro de Miguel Esteves Cardoso. O título desta obra esteve nas bocas do mundo e o escritor foi considerado irreverente. Quando peguei no livro, tinha a certeza ter encontrado um tesouro. Deparei-me com uma primeira página que prometia uma obra inesquecível:

Quanto mais vou sabendo de ti, mais gostaria que ainda estivesses viva. Só dois ou três minutos: o suficiente para te matar. Merecias uma morte mais violenta (…)

Mas, capítulo após capítulo, o gosto pela leitura foi diminuindo drasticamente. Tornou-se numa desilusão. O romance foi ficando sem estrutura e parecia ter nas mãos um esboço apenas, como se estivesse a ler um caderno de pensamentos do autor. Além da falta de estrutura, a própria escrita alterna bastante. Existem vários capítulos em que a pontuação é absurda – parece que estou a ler uns escritos de um ucraniano que está a aprender a língua portuguesa.

 

A linguagem é degradante. Engraçado como o facto de ter sido escrita por Miguel Esteves Cardoso é vista como irreverente mas se lêssemos ou ouvíssemos – e ouvimos! - as mesmas frases por um individuo incógnito, seria considerado racista, mal-educado, sem formação, etc. Por ser Miguel Esteves Cardoso, ganha um estatuto diferente?? Parece-me hipócrita da sociedade...

 

Apesar de tudo, é uma obra que conquistou muitos leitores… é um daqueles casos que não deixa ninguém indiferente, ou se ama ou se odeia. Se foi escrito para chocar, o objetivo foi, sem dúvida, alcançado...

 

Súplicas Atendidas

Sara, 03.11.11

 

Autor: Truman Capote

Editora: Edições Asa

Ano de Edição: 1993

Título Original: Answered Prayers

ISBN: 972-41-1290-x

N.º Pág.: 217

 

 

O protagonista do romance é um bissexual, filho de pais incógnitos, que fugiu de um orfanato aos treze anos para levar uma vida de expedientes e de permanente itinerância. Com estas características, seria aparentemente fácil achá-lo monstruoso. Na verdade, não é isso o que sucede, porque o seu humor e o seu encanto são tais que o leitor cedo se rende ao fascínio que dele emana. Nestas páginas repletas de personagens estranhas e maridos sádicos, mulheres inteligentes e belas, e abundantes em histórias escandalosas e em maledicência, encontram-se também alguns dos mais interessantes e poderosos retratos que a literatura nos legou.

 

A controvérsia deste livro começou bem antes da sua publicação. Truman, que se movimentava na alta sociedade nova-iorquina e era íntimo de algumas celebridades, semeou o terror ao desvendar dois dos capítulos deste livro na revista americana Esquire. Acontece que estes capítulos tratavam sobre a vida dessas mesmas celebridades e sobre os seus segredos mais íntimos e, perante a estupefacção dos retratados por Capote, este respondeu “De que é que eles estavam à espera? Sou escritor. Utilizo tudo. Será que essa gente julgava que eu estava lá só para os divertir?” Mas ele sabia o risco que corria pois afirmou que o romance iria ser publicado a título póstumo, explicando “either I'm going to kill it, or it's going to kill me”.

 

Posto estas curiosidades à parte, ou se gosta ou não deste livro, não há aqui lugar para meio-termo. E eu adorei. Já tinha lido “Breakfast at Tiffany’s”, o romance que me apresentou Truman Capote e a sua escrita. Agora com “Súplicas Atendidas” fiquei verdadeiramente fascinada com a forma como este escritor usa as palavras, constrói as frases e como consegue provocar sentimentos no leitor. Ao longo do livro, foram várias as vezes que ri, que fiquei chocada e que me fizeram reflectir. E, na minha opinião, um bom livro faz isto, provoca reacções no leitor, faz dele uma parte integrante do livro e não apenas um observador.

 

Podes ler aqui um excerto do livro.

 

Eis algumas reacções a este livro:

 

"Chocantemente repugnante e completamente difamatório.", Tennessee Williams

 

"Capote morde as mãos que o alimentam.", New York Magazine

 

"Aquele serzinho desprezível e sujo nunca mais vai colocar os pés nas minhas festas.", Nedda Logan (actriz)

A História do Senhor Sommer

Sara, 11.08.11

 

Autor: Patrick Süskind

Editora: Sextante Editora

Ano de Edição: 2007

Título Original: Die Geschichte von Herrn Sommer

Tradução: Maria Castro Dias

ISBN: 978-989-8093-31-8

N.º Pág.: 102

 

 

 

 

“No tempo em que eu ainda trepava às árvores, vivia na nossa aldeia, a uns dois quilómetros da nossa casa, um homem a quem chamavam senhor Sommer. Ninguém sabia qual era o seu nome de baptismo e também ninguém sabia se ele tinha ou não uma profissão.

Mas embora pouco se soubesse sobre o senhor Sommer, toda a gente o conhecia, pois andava permanentemente de um lado para o outro. Podia nevar ou cair granizo, podia estar um temporal ou chove a cântaros, podia o sol queimar ou aproximar-se um furacão, como uma alma penada, atravessando a paisagem e os sonhos do narrador..”

 

 

 

Já há uns tempos tinha lido o “Perfume”, uma das minhas obras preferidas e quando vi outro romance deste autor nas prateleiras da biblioteca de praia nem pensei duas vezes!

Esta é a história do morador mais conhecido do Lugar de Baixo, o senhor Sommer, descrita por alguém que recorda os seus tempos de juventude de há muitos anos atrás. O sr. Sommer é um homem que, em todo o seu tempo de vida passado no Lugar de Baixo, caminha de um lado para o outro, incessantemente sem nunca parar. E por esta razão faz parte da vida de todos os moradores, surgindo sempre no pano de fundo. Ele está presente quando o narrador vai para a escola, quando regressa a casa, quando se apaixona pela Carolina, quando vai até às aulas de piano e quando planeia a morte numa copa de árvore depois de uma conturbada aula em que se recusa a tocar um fá sustenido após a professora ter espirrado e projectado o seu ranho para essa tecla preta do piano.

Os vizinhos do sr. Sommer defendem várias teorias para as caminhadas deste e, mais tarde, teorias que explicam o seu desaparecimento mas apenas o narrador conhece o seu paradeiro e só agora o revela, ao leitor.

 

Relativamente à escrita não é tão descritiva como acontece em “O Perfume” dando uma sensação de simplicidade que leva o leitor a recordar os seus tempos de infância. Em apenas cem páginas, há momentos comoventes, de acção e hilariantes, estando alguns deles representados na ilustração de Sempé.

 

O Leitor

Sara, 04.05.11

 

Autor: Bernhard Schlink

Editora: Edições Asa

Ano de Edição: 1998

Título Original: Der Vorleser

Tradução: Fátima Freire de Andrade

ISBN: 978-972-41-2009-6

N.º Pág.: 144

 

 

“Em 1960, Michael Berg é iniciado no amor por Hanna Schmitz. Ele tem 15 anos, ela 36. Ele é apenas um adolescente. Ela é uma mulher madura, bela, sensual e autoritária. Os seus encontros decorrem como um ritual: primeiro banham-se, depois ele lê, ela escuta e finalmente fazem amor. Mas este período de felicidade incerta tem um fim abrupto quando Hanna desaparece subitamente. Michael só a encontrará muitos anos mais tarde, envolvida num processo de acusação a ex-guardas dos campos de concentração nazis. Inicia-se então uma reflexão metódica e dolorosa sobre a legitimidade de uma geração, a braços com a vergonha, julgar a geração anterior, responsável por vários crimes.”

 

Esta história divide-se em três partes. Na primeira parte, Michael regressa ao passado e recorda-se como tudo começou. Pelo Outono, Michael sente-se mal e acaba por vomitar perto da casa de Hanna, mulher que o encontra e o acompanha até casa. Duas estações após o diagnóstico de icterícia, Michael leva-lhe um ramo de flores como forma de agradecimento e, nessa visita, acaba por observá-la, através de uma porta entreaberta, a mudar de roupa. Apanhado em flagrante Michael acaba por fugir dali. No entanto, uma semana mais tarde, a curiosidade e o desejo fazem-no regressar a casa de Hanna, originando o primeiro contacto mais íntimo. Seguem-se meses de uma complexa relação até ao dia em que Hanna desaparece sem deixar qualquer rasto.

A segunda parte acompanha o julgamento de Hanna, ex-guarda de campos de concentração nazis. Michael, estudante de Direito, segue todo o processo e, entre muitas reflexões, descobre o seu segredo. Chocado questiona-se repetidamente. Como não se apercebeu antes? Porque razão Hanna deixou tudo aquilo chegar tão longe? Assumir crimes que nem sequer tinha cometido para evitar revelar o seu segredo? E, agora, que faria ele? Manter-se-ia como espectador ou tornar-se-ia participante naquele processo? Afinal tinha em seu poder informações que poderiam alterar a decisão final…

Na terceira parte, após a sentença ter sido promulgada, Michael termina o curso e prossegue com a sua vida mas sem nunca esquecendo Hanna. Mais tarde, Michael volta a contactar Hanna com frequência, possibilitando Hanna libertar-se do seu segredo.

 

Esta foi uma das minhas leituras preferidas de 2010. Não acredito que a escrita de Bernhard Schlink deixe alguém indiferente. Estamos perante um daqueles livros que após o primeiro capítulo não conseguimos parar de ler. Li-o num ápice. Gostei imenso do alternar entre as memórias de Michael e as suas reflexões e adorei a descrição dos vários cenários e das várias personagens. Gostei também da referência a diversos livros que vai acompanhando todo o romance.

 

“Até onde iria para proteger um segredo?”

 

Be.

P.S. - Eu Amo-te

Sara, 05.08.10

 

Autor: Cecilia Ahern

Editora: Editorial Presença

Ano de Edição: 2009

Título Original: P.S. – I Love You

Tradução: Helena Barbas

N.º Pág.: 393

 

 

 

 

“Quase todas as noites Holly e Gerry tinham a sua private discussion – qual dos dois é que se ia levantar, enfrentar o frio soalho de tijoleira e voltar tacteando pateticamente para a cama? Comprar um candeeiro de mesa-de-cabeceira parecia não fazer parte dos seus planos, e assim o episódio da luz repetia-se a cada noite, num ritual cómico a que nenhum desejava, aparentemente, pôr termo. Agora, ao recordar esses momentos de pura felicidade, Holly sentia-se perdida num presente sem Gerry. Mas ele conhecia-a demasiado bem para a deixar no mundo sozinha e sem rumo. Por isso, imaginou de forma engenhosa de perpetuar ainda por algum tempo a sua presença junto da mulher que amava, incentivando-a a aprender a viver de novo.”

 

Cecilia Ahern conta a história de Holly, após perder o seu grande amor da sua vida, Gerry, vítima de um tumor cerebral. Gerry, antecipando o sofrimento e saudade de Holly, preparou-lhe dez cartas, com o nome de cada mês escrito nos sobrescritos.

Cada carta traz uma mensagem de Gerry e um desafio que Holly terá de enfrentar.

 

Ao longo do ano de luto, conhecemos a família de Holly, as suas melhores amigas e todos os que vão surgindo e que a vão acompanhando neste processo.

 

Este é um género literário que não me chama muito a atenção, comprei-o em desconto e apenas porque já tinha ouvido falar de Cecilia Ahern…

 

Virei as 400 páginas para descobrir o que Gerry lhe reservava para o mês seguinte, para além disso, em termos de conteúdo não trouxe nada de novo. No entanto, gostei da escrita da autora e sou capaz de lhe dar uma nova oportunidade – tenho cá em casa outro livro dela, entretanto ganho num passatempo.

 

Foi, por ser um romance leve e sem cair no piroso, uma opção agradável de leitura numa altura de avaliações na faculdade.

 

Pontuação: 5/10

 

Be.

 

Rebeca

Sara, 02.02.10

Rebeca é um romance de Daphne du Maurier que a tornou, com a sua publicação, uma das escritoras mais populares de então. E ainda hoje, este romance é considerado como uma das suas melhores obras.
 
A obra começa com a descrição de um sonho que a narradora - cujo nome nunca é revelado, sabemos apenas ser um nome pouco comum - acabou de ter referente a uma casa em Inglaterra na qual viveu, Manderley. E a partir daqui dá-se uma analepse até à altura em que era recém-saída do colégio e dama de companhia de Mrs. Van Hopper, mulher que forçava o convívio com todas as pessoas cujo nome aparecesse nas revistas sociais.
Enquanto dama de companhia, a narradora sente-se apenas uma criança e este sentimento mantém-se durante bastante tempo, deseja ser mais velha, ser vista de forma diferente, anseios motivados pela sua constante convicção de ser incapaz de se integrar em círculos sociais e de ser aprovada como esposa de alguém bastante rico e importante.
 
A obra percorre a vida da narradora desde a sua suposta aprendizagem junto de Mrs. Van Hopper até ao momento actual que é apresentado no início da leitura, é um relembrar da sua vida desde os tempos de criança até mulher. Desenrolar esse, viciante.
 
Rebeca é o nome da mulher que a atormenta permanentemente, que a persegue por todos os cantos da casa, por todos os seus passeios no jardim. E não será apenas Rebeca a atemorizar os seus dias mas também a que mais lhe é fiel, Mrs. Danvers, criatura que se mostra intimidadora e cruel desde o primeiro momento.
 
A obra é muito rica não só na forma de escrita de Daphne du Maurier com passagens deliciosas de descrições de paisagens, da casa, de objectos, das várias personagens que a personagem principal vai conhecendo como pela exploração da natureza humana e de todos os sentimentos retratados que vão desde o amor, paixão, amizade, lealdade, interesse, intriga, desespero, traição, vingança, obsessão, ódio, não sei se haverá sequer algum sentimento que não esteja incluído em toda a trama!
 
Fiquei apaixonada pela forma como a escritora se expressa e como vai tecendo a história, foi uma das minhas leituras preferidas de 2009!
 
“O terraço dominava o relvado, que se estendia até ao mar; voltando-me, pude ver a toalha prateada, muito calma sob o olhar da Lua, de uma placidez de lago que o vento não perturba.”
 
Pontuação: 9/10
 
 
Curiosidade: Durante a Segunda Guerra Mundial, os Alemães decidiram usar uma edição deste romance para formar frases a partir de palavras codificadas pelo número de página, linha e posição que tomavam na obra. Apenas não foi posto em prática pois pensavam que esta táctica tinha sido descoberta, logo comprometida. Esta curiosidade é referida no romance de Ken Follett, “A Chave de Rebeca”.
 
 

Firmin

Sara, 28.01.10

 
 
Autor: Sam Savage
Editora: Planeta
Ano de Edição: 2009
Título Original: Adventures of a Metropolitan Lowlife
Tradução: Sofia Gomes
Ilustração: Fernando Krahn
N.º Páginas: 155
ISBN: 978-989-675-001-9
 
 
“Nascido na cave da Pembroke Books, uma livraria de Boston dos anos 60, Firmin aprendeu a ler devorando as páginas de um livro. Mas uma ratazana culta é uma ratazana solitária. Marginalizado pela família, procura a amizade do seu herói, o livreiro, e de um escritor fracassado. À medida que Firmin desenvolve uma fome insaciável pelos livros, a sua emoção e os seus medos tornam-se humanos. É uma alma delicada presa num corpo de ratazana e essa é a sua tragédia”
 
Firmin foi um livro lido em dois dias, de leitura fácil, que me tocou o coração e me fez pensar. Se por um lado o livro me atraia por ter como pano de fundo a paixão pelos livros por outro, o facto de ser uma ratazana a personagem principal fazia-me torcer o nariz… confesso que ratazanas enfim, prefiro-as bem longe de mim. xD
 
Mas o Firmin conquistou-me facilmente o coração. Assistimos ao seu nascimento, o último de uma ninhada de treze, e aqui o treze nada de auspicioso traz, desde cedo Firmin tem de lutar para se alimentar pois a mãe Flo, como todas as ratazanas, tem apenas 12 tetas. Assistimos aos primeiros passos e às primeiras diferenças entre ele e os irmãos. Firmin é um ser racional, emocional, enclausurado no seu corpo de ratazana. E assistimos ao seu crescimento e à tentativa de mostrar a nós, seres humanos, que nos ouve, que partilha o mesmo tipo de emoções mas que não consegue simplesmente falar connosco por não possuir as cordas vocais adequadas.
 
A vida de Firmin é um conjunto de peripécias que, com muito sentido de humor, vai atribuindo-lhes nomes como “Perseguição e Fuga nas Cidades mais Antigas da América”, “O Primeiro Ser Humano que F. Amou” e “Veneno para Ratos, ou Um Amor Traído”. Por outro lado temos também uma reflexão constante sobre o amor, a amizade, a desilusão e a solidão, sobre o sentido da vida.
 
E esta história é também sobre nós, amantes da leitura, pessoas que tiram prazer de uma simples ida a uma livraria ou biblioteca, de um encontrar entre muitos livros aquele especial que procurávamos há muito, do saborear ao virar de cada página a nova realidade que o livro nos mostra, de todas estas pequenas coisas que nos prendem sempre.
 
Firmin é a estreia de Sam Savage, licenciado e doutorado em Filosofia em Yale e com um percurso de vida peculiar.
 
Pontuação: 8/10