Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Às 23h

Livros na Minha Cabeceira

Às 23h

Livros na Minha Cabeceira

Top 25 do Mundo da Fantasia

Sara, 04.11.11

No dia 2 de Novembro foi publicada a lista dos 25 melhores livros de fantasia segundo a IGN (Imagine Games Network).

 

Para quem gosta de listas como eu, deixo-vos abaixo todos os títulos e autores respectivos. Para mais detalhes, poderão encontrar aqui  pequenas descrições sobre cada um dos livros referidos. Eis o top 25:

 

1 - The Princess Bride, William Goldman

2 - The Fellowship of the Ring, J. R. R. Tolkien

3 - Northern Lights, Philip Pullman

4 - The Voyage of the Dawn Treader, C. S. Lewis

5 - Gormenghast, Mervyn Peake

6 - Peter Pan and Wendy, J. M. Barry

7 - American Gods, Neil Gaiman

8 - The Last Unicorn, Peter S. Beagle

9 - A Wizard of Earthsea, Ursula K. Le Guin

10 - Lords and Ladies, Terry Pratchett

11 - Charmed Life, Diana Wynne Jones

12 - Harry Potter and Deathly Hallows, J. K. Rowling

13 - A Game of Thrones, George R. R. Martin

14 - Alice's Adventure in Wonderland, Lewis Caroll

15 - The Wonderful Wizard of Oz, L. Frank Baum

16 - Jonathan Strange and Mr. Norrell, Susanna Clarke

17 - The Hobbit, J. R. R. Tolkien

18 - Something Wicked This Way Comes, Ray Bradbury

19 - Stardust, Neil Gaiman

20 - The Neverending Story, Michael Ende

21 - The City & The City, China Miéville

22 - The Dying Earth,  Jack Vance

23 - The Sword of Shannara, Terry Brook

24 - A Wrinkle in Time, Madeleine L'Engle

25 - The Mists of Avalon, Marion Zimmer Bradley

 

 

Esta lista tem gerado alguma controvérsia, principalmente devido a ausências de autores mais prestigiados no mundo da Fantasia como Stephen Lawhead, Raymond E Fiest, Robert Jordan, entre outros...

 

Que achaste desta lista? Que nomes incluirias se fosse feita por ti?

 

Adorava saber a tua opinião :)

Dívida de Sangue

Sara, 22.09.11
 

 

 

Autor: Charlaine Harris

Editora: Saída de Emergência

Ano de Edição: 2009

Título Original: Living Dead in Dallas

Tradução: Renato Carreira

ISBN: 978-989-637-137-1

N.º Pág.: 253

 

 

 

 

“Sookie Stackhouse está numa maré de azar: primeiro o seu colega de trabalho é morto e ninguém se parece preocupar; depois, é atacada por uma criatura que a infecta com um veneno doloroso e mortal. Tudo se complica quando Bill nada consegue fazer e pede a ajuda de Eric para lhe salvar a vida. A questão é que agora ela está em dívida para com Eric – um vampiro deslumbrante mas tão belo quanto perigoso. E quando ele lhe pede um favor em troca, ela tem que aceder.

De repente, Sookie está em Dallas a usar os seus poderes telepáticos para encontrar um vampiro. A sua condição é que os humanos não devem ser magoados. Mas a promessa de os vampiros se manterem na ordem é mais fácil de dizer do que cumprir. Basta uma bela rapariga e um pequeno deslize para que tudo comece a correr mal…

Entretanto, também Eric tem os seus próprios segredos…”

 

Li o primeiro desta saga já há algum tempo mas não tinha intenção de continuar a segui-la. Teve alguns momentos que me despertaram interesse mas, no geral, não é o estilo literário que mais admiro – nada contra vampiros!. No final das férias requisitei a série – a primeira temporada –, não tinha visto nenhum episódio e quando vi o dvd fiquei curiosa. Acabei por ver todos os episódios em três dias seguidos, dos quais preferi o último – menos sexo (que série tão gráfica!), mais intriga e suspense…

 

Peguei, então, no segundo livro…

 

A trama inicia-se com a descoberta do corpo, recentemente assassinado, de Lafayette no carro de Andy, detective da polícia local. Sookie decide usar os seus poderes telepáticos para descobrir quem matou Lafayette e, assim, ilibar o detective Andy. No entanto, surgem várias situações críticas que ganham prioridade e que, consequentemente, adiam o seu plano.

Sookie é alvo da sede de vingança por diferentes tipos de seres, situação que permite ao leitor conhecer esta personagem mais a fundo, assim como os vampiros Bill e Eric.

 

Neste livro, a autora explora o conflito entre os humanos e os vampiros, sendo um dos cenários principais de acção uma igreja onde são realizados retiros para os humanos que odeiam vampiros. Quanto a relações, surge, também, a primeira zanga entre Sookie e Bill, originada pelos seus instintos de vampiro e uma ligação muito próxima entre Sookie e Eric, discretamente traçada por este, a qual gera ciúmes em Bill.

 

Neste livro, Charlaine Harris apresenta-nos novas criaturas: duendes e ménades.

 

A escrita neste livro é mais segura e a história bem mais interessante (mais conteúdo, menos sexo). Gostei, particularmente, das novas personagens Luna (metamorfa) e Callisto (ménade).

 

Callisto (Mary-Ann) quando aparece com um porco à frente do carro conduzido por Tara

Anoitecer

Sara, 28.07.11

 

Autor: Karen Marie Moning

Editora: Contraponto

Ano de Edição: 2009

Título Original: Darkfever

Tradução: Elsa T. S. Vieira

ISBN: 978-989-666-012-3

N.º Pág.: 260

 

 

“O meu nome é MacKayla; Mac, para simplificar. Sou uma vidente de sidhe, uma das que vê os Fae, um facto que aceitei apenas há pouco tempo e com grande relutância. A minha filosofia é muito simples – fico feliz quando ninguém anda a tentar matar-me. Mas não tenho tido razões para estar feliz ultimamente, desde que as paredes entre o Homem e os Fae se desmoronaram. Na verdade, não existe um único vidente de sidhe vivo que esteja feliz desde então.

Antes de ser assassinada, a irmã de Mackayla deixou uma única pista sobre a sua morte – uma mensagem enigmática no telemóvel de Mac (…) Enquanto Mac mergulha cada vez mais fundo na tentativa de solucionar a misteriosa morte da irmã, todos os seus movimentos são seguidos pelo sombrio Jericho… e o implacável V’lane – um príncipe Fae (…) – aproxima-se dela. À medida que as fronteiras entre os dois mundos começam a desmoronar-se, a verdadeira missão de Mac torna-se clara: encontrar o poderoso Livro Negro Sinsar Dubh antes que mais alguém o reclame, pois quem conseguir obtê-lo primeiro terá o controlo completo sobre ambos os mundos…”

 

 

Esta foi uma das minhas aquisições na Feira do Livro deste ano – não queria comprar mais uma história de vampiros que tem invadido as estantes de literatura juvenil mas, ao ler a sinopse e o início do livro, achei que este seria diferente – o primeiro livro da série Fever, tendo como escritora uma vencedora do prémio RITA (Romance Writers of America).

 

Tudo começa numa tarde de Verão à beira da piscina quando Mac atende o telefone e descobre que a irmã fora assassinada. Com os pais fora, é obrigada a identificar o corpo de Alina que fora encontrado num beco perto do rio Liffey em Dublin, cheio de buracos e partes rasgadas. Após três semanas de investigação e a transferência do caso para a Divisão de Casos Não Resolvidos, Mac parte para a Irlanda com o intuito de pressionar as autoridades. No entanto, sem qualquer indício do assassinato da sua irmã, é obrigada a prosseguir as investigações por sua conta.

 

Este é um thriller emocionante com várias passagens de intensa carga erótica com-direito-a-bolinha-no-canto-superior-direito, mas sem cair num tipo de livro que faz disso a sua essência. A autora tem uma escrita simples e fluida, criou um enredo original - apesar de estarem presentes os vampiros – e uma relação complexa entre as personagens Mac e Jericho, que orienta o leitor num mundo que se vai relevando cada vez mais sombrio.

 

 

Uma boa opção para quem gosta de leituras fantásticas e do misticismo da Irlanda.

Harry Potter

Sara, 13.04.11

Aos mais atentos é óbvio o pouco tempo que tenho dedicado ao blog.

 

Mas, apesar desta pausa já muito prolongada, as leituras, essas, continuam a bom ritmo! Tenho estado a ler uma das mais conhecidas sagas juvenis, Harry Potter. Apesar de ter acompanhado esta saga no cinema até à Ordem de Fenix e ter os livros respectivos na estante desde que foram lançados ainda não os tinha lido. Em Dezembro decidi pegar no Harry Potter e a Pedra Filosofal e desde então nunca mais os larguei! Neste momento estou a meio do 5º livro e também já requisitei o sexto.

 

Até agora o meu preferido é o Harry Potter e o Cálice de Fogo.

 

Leram a saga? Qual foi o vosso volume preferido?

 

Be.

 

 

A Fantástica Aventura dos Anões da Luz - Em Busca de Sulti

Sara, 23.06.10

 

 

 

Autor: Catarina Coelho 

Editora: Chiado Editora  

Ano de Edição: 2008

N.º Pág.: 139

 

 

 

 

 

 

 

 

“Esta é a história de uma comunidade de anões, os Anões da Luz, que possui uma magia muito poderosa (…). O responsável pela poderosa magia deste grupo de anões é Sulti, o feiticeiro da comunidade (…). Um dia, a aldeia dos Anões da Luz é invadida por um grupo de homens, que querem raptar o feiticeiro, para assim obter a magia dos anões e o poder que esta confere. Os anões tentam defender-se usando a magia, mas, perante a assustadora visão das armas e do que estas são capazes de fazer, o feiticeiro não consegue pôr em prática a sua magia e acaba por ser raptado pelos homens.

É assim que um grupo de anões decide deixar os restantes habitantes da comunidade e partir numa perigosa viagem até à Floresta da Escuridão, onde vivem os homens, para tentar resgatar Sulti, o feiticeiro…”

 

 

 

 

O primeiro parágrafo do livro deixou-me logo curiosa e no final da primeira página imaginava a escritora sentada com um conjunto de crianças à sua volta encantadas ao ouvir a sua história. A descrição de Catarina agradou-me imenso, apela bastante aos sentidos. Recorre às cores, aos sabores, aos cheiros, e tudo escrito de uma forma tão agradável que acabei por entrar, rapidamente, no mundo que criou.

 

O livro está dividido em dez capítulos e a maior parte da história passa-se durante a viagem até à Floresta da Escuridão. São vários os momentos críticos que testam a coragem dos anões e Catarina consegue transmitir e manter a adrenalina na escrita, outra característica da sua escrita que muito me agradou.

 

Existe alguma repetição de ideias durante a história. No entanto, para o público juvenil penso que é justificável pois permite recordar momentos importantes e como este mundo fantástico “funciona”.

 

O final é inesperado, tudo indica que os anões conseguem ir resolvendo todos os problemas com que se vão deparando, apesar de nunca ser tarefa fácil, no entanto, eles são surpreendidos quando pensam que tudo está resolvido e eu acabei por sê-lo também.

 

Agora só a continuação revelará o grande mistério com que os anões se deparam no final. E eu aguardo-a com bastante interesse.

 

Este é um livro enquadrado no género fantástico, dirigido a um público juvenil/adulto. O início do livro penso que é também acessível ao público infanto-juvenil, no entanto a partir de certa altura creio que um leitor mais jovem terá de ser acompanhado pois torna-se numa leitura densa. Eu, por exemplo, teria adorado ler este livro e semelhantes pelos meus 10-14 anos.

 

 

Catarina Coelho será também a estreia de um espaço novo aqui no blog, já para breve!

 

 

Be.

 

NeverWhere

Sara, 28.12.09

“Gaiman representa Londres não só como uma cidade mas como duas, a Londres-de-Cima e a Londres-de-Baixo. São dois mundos que coexistem, e se ignoram, articulados por uma única estrutura ordenada: a rede do metropolitano. (…) A um mundo de aparente racionalidade contrapõe-se um outro, insuspeitado, com as suas próprias leis, habitado por personagens bizarras, encerrando perigos e maravilhas. (…) Esta fantasia urbana, thriller psicológico (será sempre algo mais) é Gaiman no seu melhor, brilhante, cheio de espírito, sublime de inspiração, resplandecente de humor e graça, mesmo quando é assustador”

 
“NeverWhere” foi a última leitura que conclui em 2009 e posso dizer que acabei em grande, foi uma das minhas leituras preferidas!
 
No género fantástico sou uma leitora principiante e dos poucos que li, com excepção de “Danças na Floresta” de Juliet Marrillier, o primeiro que li dessa escritora, nada me tinha chamado a atenção.
 
Já “NeverWhere” prendeu-me desde o início. Começamos por conhecer Richard, na sua festa de despedida na noite de véspera de mudança para Londres onde lhe esperava o seu novo trabalho na área dos seguros. E é precisamente durante essa festa, num intervalo em que Richard sai do pub para apanhar um pouco de ar fresco que nos apercebemos que a sua mudança para Londres não é uma simples mudança, Richard encontra uma misteriosa velha que o aconselha a tomar conta de si próprio e a estar atento a portas, depois de lhe ler a palma da mão.
 
E é em Londres que Richard conhece Door, uma rapariga fugitiva que ele encontra estendida sobre o passeio, suja, ferida e a sangrar. Ao contrário de Jessica, a noiva de Richard com prioridades algo trocadas, que passou sobre o vulto que jazia no chão, ignorando-o, Richard socorreu imediatamente Door, acabando por levá-la para casa e abandonando Jessica, que o colocou entre a espada e a parede.
 
A preocupação de Richard por Door, a ajuda prestada, tornou-se no seu pesadelo. Da noite para o dia, Richard tornou-se invisível no mundo que conhecemos. Começa por ser visitado por duas sinistras criaturas, Mr. Vandemar e Mr. Croup, assassinos da Londres-de-Baixo que perseguem Door, tornando-se agora também Richard num fugitivo. Sem outra solução, Richard acompanha Door a Londres-de-Baixo, um mundo onde as paragens de metropolitano escondem as personagens mais caricatas que possam imaginar, onde as ratazanas interligam ambos os mundos e ajudam, juntamente com Richard e outras duas importantes personagens desta história, Door na sua causa: procurar o anjo Islington que a ajudará a descobrir quem aniquilou a sua família.
                                      Ilustração de Marc Brownlow
 
Adorei a escrita que me prendeu, as personagens e o enredo da história. A descrição das diferentes criaturas de Londres-de-Baixo está de tal forma conseguida que imaginamo-las como se existissem de facto. Nesta leitura esperam-nos várias surpresas e mostra como nem tudo o que aparenta ser é-o de facto.
Há aventura, mistério, amor, desilusão, traição e terror, tudo q.b.
 

Sangue Fresco - Morte até ao Anoitecer

Sara, 08.06.09

“Morte até ao Anoitecer” é a primeira obra da série de livros “Sangue Fresco” da escritora Charlaine Harris, livro este que inspirou a série televisiva “True Blood” da HBO.

 

 

“Uma grande mudança social está a afectar toda a humanidade. Os vampiros acabaram de ser reconhecidos como cidadãos. Após a criação em laboratório, de um sangue sintético comercializável e inofensivo, eles deixaram de ter que se alimentar de sangue humano... Sookie Stackhouse é uma empregada de mesa numa pequena vila de Louisiana. É sossegada, tímida, e não sai muito. Não porque não seja bonita – porque é – mas acontece que Sookie tem um certo “problema”: consegue ler os pensamentos dos outros... Então surge Bill: alto, moreno, bonito, a quem Sookie não consegue ouvir os pensamentos. Com bons ou maus pensamentos ele é exactamente o tipo de homem com quem ela sonha. Mas Bill tem o seu próprio problema: é um vampiro... e é suspeito de todos os males que acontecem nas redondezas. Quando a sua colega é morta, Sookie percebe que a maldade veio para ficar nesta pequena terra de Louisiana. Aos poucos... descobre-se que o próprio sangue dos vampiros funciona nos humanos como uma das drogas mais poderosas e desejadas. Será que ao aceitar os vampiros a humanidade acabou de aceitar a sua própria extinção?”

 

Nesta obra, Sookie, a personagem principal, ouve os pensamentos das pessoas. O que no início podia parecer um poder especial é, na realidade, um pesadelo no seu dia-a-dia. Acabou por deixar os estudos devido à falta de concentração que este poder lhe causava e, mesmo no café, onde trabalha, as horas de refeições podem ser verdadeiros pesadelos. Se conhece alguém interessante, rapidamente, numa conversa, ouve as intenções sexuais deste. É por esta razão que Bill se torna logo irresistível, e, pela primeira vez, o romance torna-se possível na sua vida.

 

No entanto, o poder que faz com que as pessoas a olhem de uma forma estranha e a julguem maluca é o mesmo poder que leva as pessoas a pedir-lhe ajuda, mais tarde, para investigar as tragédias que vão surgindo na sua terra.

 

A leitura, no geral, é muito simples e corrida tornando-se, no meu ponto de vista, aborrecida. Tem, no entanto, os seus pontos bastante interessantes que passam pela apresentação dos comportamentos sociais e sexuais dos vampiros, pelo romance entre Sookie e Bill e pelos assassínios que vão ocorrendo. Para além dos vampiros, a escritora apresenta também, nesta obra, os metamorfos, pessoas que, nas noites de lua cheia, se transformam no último animal que tiverem visto. Os metamorfos também conseguem transformar-se noutras alturas mas é um processo mais difícil e demorado pois não é espontâneo como nas noites de lua cheia.

 

 

Os fãs podem sempre espreitar o blog da série, aqui!