Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Às 23h

Livros na Minha Cabeceira

Às 23h

Livros na Minha Cabeceira

Opinião: O Processo Violeta

Sara, 11.08.20

Autor: Inês Pedrosa

Editora: Porto Editora

Ano: 2019 (1ª ed.)

N.º Pág.: 230

ISBN: 978-972-0-03142-6

 

Sinopse:

No Portugal festivo e individualista do fim da década de 80, Violeta, uma professora de 32 anos, engravida de Ildo, um aluno de 14 anos, filho de uma mãe solteira cabo-verdiana. O Insubmisso, novo jornal de uma elite em ascensão, perseguirá a história e descobrirá que o pai de Ildo é um cavaleiro tauromáquico aristocrata.

O escândalo do chamado processo Violeta contrastará com o silêncio absoluto através do qual Ana Lúcia, amiga de Violeta, oculta a sua violação por um outro aluno de 14 anos da mesma escola.

Este romance apaixonante interroga, com inteligência, imaginação e humor, os interditos de uma sociedade que se diz livre e despida de preconceitos. O processo Violeta é, afinal, o de um país de hábitos clandestinos, esconsos, sacrificiais e crepusculares.

 

Opinião:

Eu adoro a escrita da Inês Pedrosa e talvez, por isso, tenha sido tão dificil encontrar as palavras certas para explicar a pontuação que dei a este livro. Até hoje, esta foi a opinião literária que mais me custou escrever.

A sinopse fala-nos de uma relação entre Violeta, de 32 anos e Ildo de 14 anos e a cobertura deste caso pelo jornal "Insubmisso". E, ainda, do silêncio por parte de outra professora após violação por outro aluno de 14 anos da mesma escola. Pensei então, ter nas mãos, um romance que se debruçaria, principalmente, sobre estas duas situações.


Mas encontrei algo mais parecido com um ensaio...

"Ao longo de toda a História do mundo ocidental, praticamente até à entrada do século XX, jovens e adolescentes, por vezes até meninas impúberes, foram vendidas em casamento a velhos varões que, em muitos casos, nem sequer haviam visto."

Se hoje julgamos uma relação amorosa entre uma mulher de 34 anos e um miúdo de 14 anos, noutros tempos houve várias relações, até por escolha própria, como a do escritor Edgar Allan Poe (26 anos) e Virginia (13 anos). Onde deverá então ser traçada a fronteira?

Estará o aluno a ser vítima de violação por parte de Violeta? Inês Pedrosa fala ainda dos conceitos de infância e adolescência, de como o cérebro se desenvolve e da aceleração do amadurecimento sexual, dos jovens de hoje. São diversos os momentos em que a autora nos faz refletir sobre este assunto - de que gostei bastante.

Mas, ao longo do romance foi dado grande foco ao funcionamento de um jornal, nos anos 80, pouco depois do fim da ditadura em Portugal. Esta foi a primeira coisa que me chateou. Sabia que O Processo Violeta seria coberto por um jornal e até imaginei que o narrador fosse o jornalista de investigação mas a autora debruça-se muito mais sobre este mundo jornalístico do que aquilo que eu esperava - talvez por ingenuidade da minha parte, uma vez que é neste meio que trabalha.

Mas, se soubesse que o livro trataria extensivamente este tema, não teria pegado nele, saberia logo que não me interessaria. Assim, acabei por ser "forçada" a ler temas que não me entusiasmam para descobrir como o romance entre Violeta e Ildo terminaria...

 

Outra coisa que me chateou e me chateia imenso num livro é um elevado número de personagens. Não acho que um bom romance necessite de imensos personagens, até pode dificultar a leitura, tornando-a menos fluída. Este é um livro relativamente pequeno (230 páginas) e, após alguns capítulos, tive de recomeçar a leitura, com uma folha de papel ao lado para apontar nomes, ligações entre personagens ou suas funções no jornal. Até à página 50, encontram-se cerca de 20 personagens... seriam mesmo necessárias tantas?

Por fim, temos ainda o pai de Ildo, cavaleiro tauromáquico, pelo que somos também transportados, através da relação que Ildo desenvolverá com o pai, para esse mundo que nada me fascina.

 

Pareceu-me, resumindo, uma escrita um pouco forçada, senti uma desorganização geral de ideias por parte da escritora, dá quase a sensação de que o texto não foi revisto. Já li outras obras da Inês Pedrosa, que adorei e nunca tinha ficado com esta sensação tão estranha. Talvez houvesse aqui material para dois livros independentes?

Teria preferido que houvesse um maior foco no romance entre Violeta e Ildo e mais espaço para a história de Ana Lúcia, que acabou por ser esquecida ao longo do livro. Fala-se brevemente do seu silêncio por temer represálias e até de um outro caso de violência na escola, também abafado:

"O problema das vítimas é sempre esse: o lastro da vergonha, o medo das represálias. Não reagem, o que as torna duplamente vítimas."

 

Se pudesse retirar muitos dos capítulos associados aos dramas jornalísticos e ainda sobre o contexto político, a minha pontuação seria elevada. Inês Pedrosa escreve tão bem, talvez por isso as minhas expetativas sejam tão elevadas quando pego num livro dela. Deste não posso dizer que gostei...

 

Pontuação: 4/10

1 comentário

Comentar post