Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Às 23h

Livros na Minha Cabeceira

Às 23h

Livros na Minha Cabeceira

Opinião: O Menino de Cabul

Sara, 24.06.22

Autor: Khaled Hosseini

Editora: Editorial Presença

Ano de Edição: 2013 (1ª) 

Título Original: The Kite Runner

Tradução: Sofia Gomes

Nº Pág.: 333

ISBN: 978-972-23-5128-7

 

Sinopse:

No inverno de 1975, em Cabul, tudo o que Amir mais deseja no mundo é ganhar um concurso de papagaios para poder impressionar o seu pai, e Hassan, o seu amigo inseparável, está determinado a ajudá-lo. Mas, na tarde do concurso, um terrível acontecimento vai destruir os laços que unem os dois rapazes para sempre. E, mesmo quando a família de Amir é forçada a fugir do Afeganistão após a invasão soviética, Amir sabe que um dia terá de regressar à sua terra natal em busca de redenção.

 

Opinião:

Este foi outro livro lido a propósito de um desafio de leitura, desta vez proposto pelo grupo "Read-along", na plataforma Goodreads, durante o mês de Abril.

Este era um livro que eu já tinha na prateleira há imenso tempo e lembro-me que tinha lido várias críticas positivas quando todos andavam a lê-lo, mas nunca pensei que me fosse tocar tanto.

A história faz-nos viajar até ao Afeganistão, país de que eu nada conheço e, só por isso, já foi uma leitura enriquecedora. O escritor nasceu em Cabul, portanto quem melhor para contextualizar a história? Dar-nos um pouco da realidade da cidade e do país?

Descobri, por exemplo, que os cidadãos acreditaram que os taliban iriam libertá-los do domínio soviético mas, em pouco tempo, viram-se numa realidade ainda pior, assim que começaram as perseguições e chacinas, em praça pública. O escritor fez, ainda, questão de associar a violência sexual à guerra, nomeadamente com o fornecimento de crianças, a troco de dinheiro, aos taliban. Infelizmente, a existência de violência sexual a par com a guerra é algo que continua a ser bem real, pelo que às vezes me esqueci de que estava a ler um livro de ficção.

A relação de amizade entre os dois personagens principais, Amir e Hassan, tanto me enterneceu como chocou. Numa idade inocente, em que devemos brincar e aprender, foram diversas as situações onde a lealdade entre os amigos foi posta à prova e onde o sentimento de culpa ganhou uma dimensão cruel.

O escritor criou uma história muito envolvente, que me prendeu e que não quis largar até ao seu desfecho.

 

Nota: 9/10