Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Às 23h

Livros na Minha Cabeceira

Às 23h

Livros na Minha Cabeceira

O Leitor

Sara, 04.05.11

 

Autor: Bernhard Schlink

Editora: Edições Asa

Ano de Edição: 1998

Título Original: Der Vorleser

Tradução: Fátima Freire de Andrade

ISBN: 978-972-41-2009-6

N.º Pág.: 144

 

 

“Em 1960, Michael Berg é iniciado no amor por Hanna Schmitz. Ele tem 15 anos, ela 36. Ele é apenas um adolescente. Ela é uma mulher madura, bela, sensual e autoritária. Os seus encontros decorrem como um ritual: primeiro banham-se, depois ele lê, ela escuta e finalmente fazem amor. Mas este período de felicidade incerta tem um fim abrupto quando Hanna desaparece subitamente. Michael só a encontrará muitos anos mais tarde, envolvida num processo de acusação a ex-guardas dos campos de concentração nazis. Inicia-se então uma reflexão metódica e dolorosa sobre a legitimidade de uma geração, a braços com a vergonha, julgar a geração anterior, responsável por vários crimes.”

 

Esta história divide-se em três partes. Na primeira parte, Michael regressa ao passado e recorda-se como tudo começou. Pelo Outono, Michael sente-se mal e acaba por vomitar perto da casa de Hanna, mulher que o encontra e o acompanha até casa. Duas estações após o diagnóstico de icterícia, Michael leva-lhe um ramo de flores como forma de agradecimento e, nessa visita, acaba por observá-la, através de uma porta entreaberta, a mudar de roupa. Apanhado em flagrante Michael acaba por fugir dali. No entanto, uma semana mais tarde, a curiosidade e o desejo fazem-no regressar a casa de Hanna, originando o primeiro contacto mais íntimo. Seguem-se meses de uma complexa relação até ao dia em que Hanna desaparece sem deixar qualquer rasto.

A segunda parte acompanha o julgamento de Hanna, ex-guarda de campos de concentração nazis. Michael, estudante de Direito, segue todo o processo e, entre muitas reflexões, descobre o seu segredo. Chocado questiona-se repetidamente. Como não se apercebeu antes? Porque razão Hanna deixou tudo aquilo chegar tão longe? Assumir crimes que nem sequer tinha cometido para evitar revelar o seu segredo? E, agora, que faria ele? Manter-se-ia como espectador ou tornar-se-ia participante naquele processo? Afinal tinha em seu poder informações que poderiam alterar a decisão final…

Na terceira parte, após a sentença ter sido promulgada, Michael termina o curso e prossegue com a sua vida mas sem nunca esquecendo Hanna. Mais tarde, Michael volta a contactar Hanna com frequência, possibilitando Hanna libertar-se do seu segredo.

 

Esta foi uma das minhas leituras preferidas de 2010. Não acredito que a escrita de Bernhard Schlink deixe alguém indiferente. Estamos perante um daqueles livros que após o primeiro capítulo não conseguimos parar de ler. Li-o num ápice. Gostei imenso do alternar entre as memórias de Michael e as suas reflexões e adorei a descrição dos vários cenários e das várias personagens. Gostei também da referência a diversos livros que vai acompanhando todo o romance.

 

“Até onde iria para proteger um segredo?”

 

Be.