Sábado, 27 de Março de 2010

Justine

 

 

Autor: Marquês de Sade

Editora: Impresa, exclusivo para a colecção “Obras Primas da Literatura Erótica” (Revista Visão).

Ano de Edição: 2009

Título Original: Justine ou les malheurs de la vertu

Tradução: Adelino dos Santos Rodrigues

Ilustração: Jacob Taurà

N.º Pág.: 198

 

 

“Justine – personagem emblemática desta figura da aristocracia, que se celebrizou por escândalos sucessivos e pela sua vida depravada – é uma jovem aparentemente virtuosa que vai relatando, com os mais explícitos pormenores, uma vida de orgias, abusos, violações e <<sadismos>> vários…”

 

 

Tudo começa quando Justine e Juliette, filhas de um comerciante abastado, colocadas num dos melhores conventos de Paris, vêem a sua sorte mudar. O pai foge para Inglaterra após a sua falência e a mulher, desgostosa, morre uma semana depois. Abandonadas, são também obrigadas a deixar o convento e seguirem com a sua vida. E aqui se separam. Juliette, de 15 anos, estava decidida pelo caminho mais fácil que a tornasse rica. Justine, de 12 anos, ingénua e virtuosa recusou-se resolutamente a viver com a irmã.

 

No dia seguinte, Juliette dirigiu-se para casa de Du Boisson, onde foi posta à venda a tantos homens que deles perdeu a conta. Entre todos esses homens, conheceu um conde que acabou por se apaixonar e casar com ela. Entre os mais variados crimes que Juliette cometeu, foi acumulando uma fortuna incalculável.

 

Mas foi a honestidade, ingenuidade e virtude que Marquês de Sade explorou na sua obra, contando, com todos os pormenores, a vida de Justine.

 

Justine, ao contrário de Juliette, procurou uma casa onde pudesse servir, uma casa correcta, tarefa que se mostrou bem difícil. A ingenuidade de Justine fazia com que acreditasse na bondade das pessoas, apercebendo-se tarde das suas verdadeiras intenções. Justine foi acusada de diversos crimes que nunca cometeu, foi chantageada, torturada e mais tarde, ao procurar auxílio num convento, dirigiu-se ao verdadeiro terror de toda a sua vida.

 

Se a ideia de explorar, filosoficamente, a dicotomia “Infortúnios da Virtude vs. Prosperidade do Mal” parece interessante, a forma como o escritor a levou à exaustão, repetindo incansavelmente as mesmas ideias do início ao final da obra, tornou-a insuportável. Não gostei da descrição excessiva de todos os momentos de tortura pelos quais Justine passou nem tão pouco das orgias a que foi submetida. A ingenuidade de Justine, tola que acredita em todos que à sua frente surgem, cai no ridículo.

 

Verdadeiramente torturada fui eu para chegar ao final do livro, do qual apenas uma página me marcou…

 

“Num mundo inteiramente virtuoso aconselhar-te-ia sempre a virtude, pois, como para ela haveria recompensas implícitas, nela estaria infalivelmente a felicidade. Mas num mundo inteiramente corrupto jamais te aconselharia outra coisa que não fosse o vício. Aquele que não trilha o caminho dos outros acaba inevitavelmente por perecer (…) Quando o interesse geral dos homens os leva à corrupção, aquele que não quer corromper-se com eles luta contra o interesse geral.”

 

Pontuação: 2/10

publicado por Sara às 20:40

link do post | comenta | adiciona aos favoritos
|

.subscrever feeds

.pesquisa aqui!

 
Sugestões? Parcerias? Escreve-me para: as23horas@gmail.com

.Estou a ler:

.últ. comentários

Olá..Sou do Brasil...e estou procurando desesperad...
Fiquei curiosa, especialmente com o primeiro :)
O do Tiago Rebelo tem sido um sucesso. Vale a pena...
Olá *-* Ando à procura de blogs de Portugal com qu...
Adorei o blog e as avaliações. Bom, eu escrevo con...
gostei do blog. quando puder dá uma conferida no m...
Terminei este livro anteontem e ainda estou sob o ...
o último segredo... http://www.youtube.com/watch?...
Que pena que Susanna Tamaro não tenha passado pelo...
Perfeito!Aguardo o seu comentário no meu blog:este...

.links

.arquivos